“De battre mon coeur s’est arrêté”, de Jacques Audiard

Se um dia o crime não compensar, talvez os dedos te levem por outros caminhos. Endireita as costas, respira fundo e deixa-te ir.

de battre mon coeur s'est arrete 4

E a música clássica foi a clássica desculpa para tudo o resto, mesmo sem teres conquistado o perdão. Nem o 50-50 do acordo, nem as quecas com a mulher do amigo, nem tão pouco aquela com a noiva do russo. Interessava-te apenas afastar o pai dos negócios escuros, preservar a memória da mãe, proteger o ouvido e garantir que essas mãos, mesmo que sempre ensanguentadas, resistissem até à prova final.

Acompanhaste sempre os teus passos rápidos com banda sonora, mesmo com a porcaria do electro. Não te deixaste levar em conversas mas perdeste-te em acordes e deixaste escapar o rasto daquilo que foste.

Ias religiosamente às aulas como uma beata vai à missa mas passavaste sempre por não perceberes nada do que a chinesa dizia. Mas, supostamente, ela era boa. «Já que és tão boa, prova-me!». «Já percebi, já percebi!, chega-te para lá», enquanto a empurravas do banco e continuavas cego a busca do mexer de dedos perfeito. Aquele, aquele mesmo que vias na TV.

de battre mon coeur s'est arrete 6

Tocaste, tocaste, tocaste, tocaste, tocaste, … Tanto tocaste mas no dia da prova final fugiste. Toccata et fugue de um coração que pensava demais num corpo que tinha pressa de ir.

Conquistaste a nota perfeita? Talvez não… Mas vingaste o pai, depois deixaste o filho e agora é tempo para com os acordes dela deixares a tua vida seguir.

de battre mon coeur s'est arrete 2

P.S.: O batimento cardíaco pára cada vez que mudamos de caminho.
Anúncios

Sobre Cinema Francês Visto em Português

Já muito se falou e continua e continuará a falar de cinema francês e, nesse sentido, pouco posso acrescentar teoricamente ao que já foi dito. Ainda assim, e porque sou teimosa, e porque gosto realmente muito de cinema francês, esta é a minha tentativa. Desculpo-me então vestindo-me de nietzschiana: "não há a coisa-em-si, há perspectivas", dizia ele. Não há cinema-em-si, há perspectivas. Esta é a minha, muito apaixonada e parcial e do meu "canto" como só assim poderia ser.
Esta entrada foi publicada em Jacques Audiard com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s