“Une femme est une femme”, de Jean-Luc Godard

Ângela, a eterna mulher endiabrada. La femme que se despe da roupa mas não da personalidade, num jogo de xadrez onde ela é a rainha com um bónus de dois reis.

Image

Brinca tão bem estes jogos de atracção amorosa quanto com as roupas e o cabelo que lhe confirmam a figura de mulher fatal. É avessa à submissão perante os homens, mas nessa posição se coloca porque apenas eles podem satisfazer a sua única fragilidade: querer um filho! É uma criança que ela quer obstinadamente e que pede sem descanso ao seu homem primeiro; eu diria por teimosia, porque afinal nem mesmo as crianças lhe distraem a atenção dos seus rapazes. O importante mesmo é levar a sua avante porque, já começada a disputa, mulher que é femme não cede.

E depois há o segundo homem – a bola de pingue-pongue – onde se joga fazer um bebé, e que no fundo é música – ti ti ta ta ti – e conquista galante.

Desata o cabelo e lá vai com Émile, prende-o e agora com Alfred. Um jogo de “anda cá, vai para lá” que lhe dá mais que afinal ser mamã. A conquista e provocação no fundo são o que a move. Mas o amor também, vá…! Que ela bem o diz, e 3 vezes – “Je t’aime, je t’aime, je t’aime” –, mas baixinho, que uma mulher chora (e as mulheres que não choram são estúpidas!), mas não abusemos!

Image

Bem, se há bebé ou não, não sabemos! E, também, que interessa isso? Afinal, Ângele ganhou aos dois, ganhou os dois e, infame não!, je suis une femme parce que je suis très belle!!

P.S.: E que o sejamos todas com a mesma coragem e atrevimento desprendido! E principalmente: que se apreciem joelhos para apertar!
Anúncios

Sobre Cinema Francês Visto em Português

Já muito se falou e continua e continuará a falar de cinema francês e, nesse sentido, pouco posso acrescentar teoricamente ao que já foi dito. Ainda assim, e porque sou teimosa, e porque gosto realmente muito de cinema francês, esta é a minha tentativa. Desculpo-me então vestindo-me de nietzschiana: "não há a coisa-em-si, há perspectivas", dizia ele. Não há cinema-em-si, há perspectivas. Esta é a minha, muito apaixonada e parcial e do meu "canto" como só assim poderia ser.
Esta entrada foi publicada em Jean-Luc Godard com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s